Adrenalina e superação marcaram o fim de semana em Hulha Negra

21/05/2017 15:27
A chuva do sábado atra
palhou a programação 
do evento realizado para os amantes da adrenalina e velocidade. o 3º encontro de Trilheiros da Confraria Off-Road e o 1º Moto Acampamento reuniu, segundo a organização, em torno de mil pessoas. 
Eduardo Pradier, da Confraria, destacou que mais de 300 pilotos estavam escritos para participar da trilha. "Cerca de 50 cidades estavam representadas neste evento. Apesar da chuva, o evento foi top", avaliou Pradier.
Outra parte alta do evento reuniu centenas de expectadores no largo da biblioteca municipal Dra Nóris Paiva. O evento contou com mateada, show de rock, apresentações do CTG Vento Xucro, brinquedos infláveis e praça de alimentação. O grupo Alto Risco apresentou um show de manobras radicais com motos que explicam o nome da equipe.
O aposentado Sérgio Fernando Marimom, de Bagé, visitou o evento acompanhado da esposa Inês Nogueira e teceu elogios a organização. "Com certeza o evento foi bom. Claro que a chuva atrapalhou, mas o pessoal da trilha adorou, afinal, para eles não tem tempo ruim. Se o clima tivesse ajudado teríamos uma presença em grande numero dos motociclistas. A organização do evento está de parabéns, pois com todas as dificuldades enfrentadas não mediram esforços para proporcionar a todos que estiveram presentes um bom evento. Parabéns a Associação Bageense de Motociclismo (ABM Bagé) que ajudou na organização do evento", destacou.
 
 
 
Hulha Negra recebeu visitantes de várias cidades do Estado e do Uruguai. Para a reportagem do Nosso Jornal, ninguém teve uma participação mais marcante do que a de um jovem piloto hulhanegrense: Alisson Vieira, 21 anos.
O interesse de Alisson pelo ronco dos motores começou desde muito cedo. Foi nos campos da Trigolândia que ele começou as primeiras competições em veloterra e Cross Country.
Acostumado pilotar na lama e enfrentar terrenos irregulares, Alisson não poderia imaginar quais os obstáculos ainda iriam surgir em sua trilha. Um acidente com moto em junho de 2015 deixou Alisson paraplégico. Sem os movimentos das pernas a possibilidade de ter que esquecer o sonho de pilotar era enorme. Só que não. Enorme mesmo é a superação do piloto. Pouco mais de seis meses após o acidente, Alisson já estava participando do 2º Trilhão de Hulha Negra. Desta vez, trocou a moto por um quadricículo. 
"O acidente mudou minha vida, mas não tirou o meu amor pelo esporte. Algumas coisas ficaram diferentes, mas o meu amor pelo esporte e pelo o que gosto de fazer continua o mesmo. Isso na minha vida só aumenta", afirma Alisson.
Outro amor que só aumenta é o pela sua namorada. O maior incentivo na vida do piloto atende pelo nome de Eliane. "Ela está sempre comigo, nos treinos é minha maior incentivadora", se orgulha Alisson. Eliane Leon da Silva, 20 anos, é a metade da laranja de Alisson desde 2015. "No mês que vem vamos comemorar dois anos de namoro", comemora Alisson.  
Em relação ao evento no município. Alisson avaliou positivamente. "Foi bom, apesar da chuva.Tinha uma equipe muito boa. Obstáculos bem difíceis, mas ocorreu tudo bem. Foi mais um ano bom. E é uma alegria para todos nós ter um evento deste porte no nosso município e que nos dá a oportunidade  de participar", finaliza.                           
Evento reuniu motociclistas de 50 cidades do Rio Grande do Sul e do Uruguai
 
Marimom e esposa Ines Nogueira
 
Agroindustrias Cozinha da Tia Zane e Pampalac comercializaram produtos durante o evento
 
        A chuva do sábado atrapalhou a programação do evento realizado para os amantes da adrenalina e velocidade. o 3º encontro de Trilheiros da Confraria Off-Road e o 1º Moto Acampamento reuniu, segundo a organização, em torno de mil pessoas. 
Eduardo Pradier, da Confraria, destacou que mais de 300 pilotos estavam escritos para participar da trilha. "Cerca de 50 cidades estavam representadas neste evento. Apesar da chuva, o evento foi top", avaliou Pradier.
Outra parte alta do evento reuniu centenas de expectadores no largo da biblioteca municipal Dra Nóris Paiva. O evento contou com mateada, show de rock, apresentações do CTG Vento Xucro, brinquedos infláveis e praça de alimentação. O grupo Alto Risco apresentou um show de manobras radicais com motos que explicam o nome da equipe.
O aposentado Sérgio Fernando Marimom, de Bagé, visitou o evento acompanhado da esposa Inês Nogueira e teceu elogios a organização. "Com certeza o evento foi bom. Claro que a chuva atrapalhou, mas o pessoal da trilha adorou, afinal, para eles não tem tempo ruim. Se o clima tivesse ajudado teríamos uma presença em grande numero dos motociclistas. A organização do evento está de parabéns, pois com todas as dificuldades enfrentadas não mediram esforços para proporcionar a todos que estiveram presentes um bom evento. Parabéns a Associação Bageense de Motociclismo (ABM Bagé) que ajudou na organização do evento", destacou.
 
Superação
        Hulha Negra recebeu visitantes de várias cidades do Estado e do Uruguai. Para a reportagem do Nosso Jornal, ninguém teve uma participação mais marcante do que a de um jovem piloto hulhanegrense: Alisson Vieira, 21 anos.
O interesse de Alisson pelo ronco dos motores começou desde muito cedo. Foi nos campos da Trigolândia que ele começou as primeiras competições em veloterra e Cross Country.
Acostumado pilotar na lama e enfrentar terrenos irregulares, Alisson não poderia imaginar quais os obstáculos ainda iriam surgir em sua trilha. Um acidente com moto em junho de 2015 deixou Alisson paraplégico. Sem os movimentos das pernas a possibilidade de ter que esquecer o sonho de pilotar era enorme. Só que não. Enorme mesmo é a superação do piloto. Pouco mais de seis meses após o acidente, Alisson já estava participando do 2º Trilhão de Hulha Negra. Desta vez, trocou a moto por um quadricículo. 
"O acidente mudou minha vida, mas não tirou o meu amor pelo esporte. Algumas coisas ficaram diferentes, mas o meu amor pelo esporte e pelo o que gosto de fazer continua o mesmo. Isso na minha vida só aumenta", afirma Alisson.
Outro amor que só aumenta é o pela sua namorada. O maior incentivo na vida do piloto atende pelo nome de Eliane. "Ela está sempre comigo, nos treinos é minha maior incentivadora", se orgulha Alisson. Eliane Leon da Silva, 20 anos, é a metade da laranja de Alisson desde 2015. "No mês que vem vamos comemorar dois anos de namoro", comemora Alisson.  
Em relação ao evento no município. Alisson avaliou positivamente. "Foi bom, apesar da chuva.Tinha uma equipe muito boa. Obstáculos bem difíceis, mas ocorreu tudo bem. Foi mais um ano bom. E é uma alegria para todos nós ter um evento deste porte no nosso município e que nos dá a oportunidade  de participar", finaliza. 
Alisson com a namorada Eliane da Silva                       
 
Voltar